Na região portuária do Bairro Caujo, estão diversas estruturas histórias do Rio de Janeiro, entre elas, um dos cemitérios mais tradicionais da cidade: O Cemitério da Penitência. Fundado em 05 de março de 1875, o empreendimento é um dos mais antigos da capital carioca. O espaço é considerado um museu a céu aberto, pois contempla obras de arte que marcaram a história do Brasil. Além do cuidado com a preservação histórica, o Cemitério está em constante processo de modernização e infraestrutura de serviços, oferecendo expansão de seus espaços e uma equipe experiente para atender de uma maneira competente, confiável e respeitosa. 

Nossa história

A Irmandade da Ordem Terceira da Penitência surgiu em 1619, no morro de Santo Antônio, funcionando inicialmente numa capela transversal à Igreja do Convento Fransciscano de Santo Antônio.

Em meados do século XVII, iniciaram a construção de um templo próprio, cujas obras levaram mais de um século para serem concluídas.

Inicialmente, os Irmãos da Penitência eram todos enterrados na Igreja Conventual até que ficou pronta sua própria, onde passaram a ser sepultados a partir de então. Em princípios do século XIX, foram construídas catacumbas nos fundos do templo, mas que logo ficaram lotadas. Com a proibição de enterramentos nas igrejas em 1850, os irmãos tiveram a ideia de constuir um campo santo próprio.

No dia 10 de junho de 1857, a Irmandade da Ordem Terceira da Penitência solicitou à Santa Casa de Misericórdia a cessão de um terreno de 65 braças de frente para a Praia de São Cristóvão. O pedido foi deferido pelo Provedor, e assim o novo cemitério começou a funcionar em 1º de março de 1858. Dessa forma, os sepultamentos nas catacumbas do morro de Santo Antônio foram encerrados e as sepulturas que estavam lá, transferidas para o novo espaço.